Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Janela da Alma

Pra começar... Sou reticente...

Dizer que falar sobre mim é abordar o assunto que melhor domino pode ser uma falácia. Constantemente me transformo, e procuro lapidar minhas opiniões e conceitos com novas óticas e informações. É talvez um vício, buscar novas formas de ver as mesmas coisas, desconstruir opiniões, reconstruir motivos.

Não gosto de pessoas que avaliam a gente pelo primeiro impulso, principalmente quando sabem que sabemos estar sendo avaliados, conheço poucos que não erram diante de tal responsabilidade. Prefiro as que observam caladas, discretas. Estas conhecem a verdade sem precisar intimidar.

Aprecio bons líderes, gosto de observar como trabalham, e como fazem para manter o controle sobre pessoas com quem lidam. Acho patético quem tem de usar métodos bárbaros para arrancar os resultados que espera em relação ao trabalho. Mas tenho mais pena ainda de quem só sabe produzir resultados sobre esta mesma pressão.

Trabalho bem quando estou estimulado, e com a forma certa, não encontro limites físicos nem emocionais para buscar um fim. Mas não me sinto capaz de empregar meios que considero injustos.

Falando em meios injustos, não creio que fins justifiquem qualquer meio. Mas creio que podem justificar às vezes. Aprecio quando algo é feito em busca do prejuízo menor, mesmo que este tenha de ser dividido por todos.

Não gosto de me deparar com pessoas grosseiras, nem com pessoas superficiais. Mas quando estou em grupo, acho que sei como fazer delas ferramentas de produção de bons resultados, seja no que for. E adoro estudar formas de fazer isso. Ainda que o ditado diga que “não se pode agradar gregos e troianos”, tenho lá minhas dúvidas. Eu prefiro tentar.

Há poucas coisas nas quais acredito. Sobre a maioria das coisas que penso, na verdade sei. Crer, para mim é ter fé. Fé nem sempre é bom sinal. Fragiliza o juízo, tende a “emburrecer” as pessoas. Mas quando sinto que algo é verdadeiro, mesmo que não possa provar empiricamente, adoto como “verdade pessoal”, mas sempre exposta à possibilidade de mudar, caso prova em contrário surja.

Gosto de ler poesias e afins usando conhecimento mítico. E leio artigos científicos com conhecimento empírico-científico. Acho muita graça de quem não sabe a diferença, e desprezo os que sabem a ainda assim, enganam quem não sabe com idéias mistas... Religiosos normalmente fazem isso.

Adoro quando faz frio. Visto-me melhor no inverno. Mas odeio chuva de uma semana. Dias equilibrados, de meio termo, me chateiam também. Prefiro estações definidas e marcantes. Prefiro assim também as pessoas. Acho muita graça das que preferem agradar a todos. Gosto que todos fiquem felizes comigo, mas não me transformo no objeto de suas admirações para isso. Acho um pessoas que se esforçam para serem admiradas um saco. Mas respeito isso, afinal, sem isso, talvez não sejam nada.

Irritam-me pessoas que se acham vítimas das circunstâncias. Costumo ser impiedoso com quem tem pena de si mesmo.

Uso meia hora de minha vida sentado numa poltrona na penumbra, de vez em quando. Sem fazer nada, sem criar nada, sem desejar nada. Faz a gente lembrar como é estar realmente sozinho.

Fico indignado quando viro a página de um livro e encontro certas frases geniais de um filósofo ou um escritor qualquer, e tenho a clara impressão de ter sido plagiado em um de meus pensamentos não escritos... Percebo que eu deveria ter nascido uns anos mais cedo. Depois, acabo ficando feliz por não estar sozinho naquela sentença.

Tenho péssimo humor quando faço compras. Tenho mania de cheirar as coisas, mesmo que o cheiro não pareça bom. Às vezes me dou mal.

Adorava ler Mad e Chiclete com Banana. Mas fiquei triste quando mudaram tragicamente a linha de humor. Me pergunto as vezes se não fui eu quem mudei.

Adoro humor negro. Não aprendi até hoje a usar os “Porquês”. Aprendo, e esqueço. Tenho que ficar com um papel anotado o tempo todo, como se fosse a fórmula de báskara.

Não gosto de dar presentes em datas festivas, sofro de crises de identidade na páscoa (Tá, brincadeira... É que o preço do ovo ta pela hora da morte!). Prefiro dar presentes por dar, sem datas marcadas.

Adorava Chaves, quando tinha tempo para assistir. Para mim, ele é um gênio. Ainda acho que é baseado na mitologia grega.

Eu também detestava o Orkut. Hoje, detesto quando está fora do ar. Me sinto “vendido” por isso as vezes. Mas me perdôo unicamente por que não fumo. (Olha aí o Porquê...).

E... Para terminar... Também sou reticente às vezes. Acho que por que sempre sinto como se houvesse algo mais a ser dito. Como se ali ficasse calada uma idéia importante que não pode ser dita. Mas que deve ser pensada.

Assim sou. Por enquanto.

5 comentários:

  1. bem...eu comecei a confusão né?quando vc fala q é reticente,eu posso falar q sou mutável!tinha improvaveis metáforas pra dissertar sobre mim...e hj me permito falar q n sou nada mais q uma mãe!
    continuo com aversão ao uso de palitos de dentes e mulheres q criam as unhas dos pés;à pessoas invertebradas e q n raciocinam;continuo amando jaca e acreditando no revolver...
    mas como o assunto é janela da alma...vou me abrir!
    acordo todas as horas da madrugada pra cobrir minhas crias;experimento qualquer remédio q eles venham a usar;acho 12 anos uma idade imatura pra beijar na boca;faço leitura de todos os livros recomendados e n recomendados;penso no talibã e no uso da burca vez em quando(vai ver a foto da minha princesa!);acho este mundo,definitivamente,um lugar hostil;queria ter dinheiro pra adotar o mundo;queria n gostar tanto de minha profissão e ser definitivamente uma matrona dona-de-casa...
    queria q o pai dos meus esboçados filhos(pois os q tenho só pertecem a mim,e n abro mão)n fosse da marinha e ficasse perto de mim o tempo todo...
    e por fim...
    gostaria de n nutrir tantos sentimentos...eles me emburrecem!me privam do raciocinio e me fazem só amor!!!!

    ResponderExcluir
  2. Adoraria que tu escrevesses a respeito da tua janela... nao da minha!
    Seria possivel???

    ResponderExcluir
  3. Impossível, Janaína...
    Ainda não descobri a fórmula da desvinculação de nossas janelas. E pra falar a verdade, não sei se quero achar.

    ResponderExcluir
  4. Publicaste algo maravilhoso no meu aniversário, sei que não liga para datas festivas....nem nos conheciamos ainda...rsrsrs li e achei incrível!!!1

    ResponderExcluir

Obrigado por registrar sua impressão.

Pratique a Digitação