Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 12 de julho de 2008

Ressurreições de Um Imortal

Ora penso, ora “dispenso”
O que sei é que o bom senso
Sempre agrega no dissenso
Mas não tenso. Só derroto o que repenso
Ora me rendo, ora me venço.
Indiferentemente ao fato
De que “isto” eu não pertenço

Independentemente ao fato
De que isso não dispenso
Seja bom ou mau o senso
Teu consenso no dissenso

Levo a verdade contida
No marco zero do tenso
Que inevitavelmente
Real prova o que penso

Mentira leve do Senso
Comum frio e indiferente
Perde a alma e nem sente
E ainda chama de bom senso

Teu consenso não me vende
Não me compra, não me entende
Mas cabe na embalagem
No dente podre da engrenagem
Que impera o que transcende

Cai por chão teu infortúnio
De inglório flerte Hegemônico
Eu que aqui, prossigo atônito
Dia e noite, ainda me venço

Ainda que sigo tenso
Mais simplista que simplório
Prossigo por que me venço
E ressuscito no meu velório

Meio sopro, torto, impreciso
E a luz branca, hoje amarela
Face morta, mas que apaga
Teu sorriso... e tua vela.

(.:Ricardo Vieira:.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por registrar sua impressão.

Pratique a Digitação